Projeto Bicudos – Renova

Resumo da atuação

O projeto Bicudos iniciou em 2016 com apoio da Fundação Grupo Boticário, com estudos genéticos e sanitários em populações da espécie Sporophila maximilliani em cativeiro, bem como a busca por indivíduos selvagens e a avaliação de possíveis locais para a reintrodução da espécie. Em 2020 e 2021 foram descobertas populações selvagens em Minas Gerais, que desde então têm sido monitoradas com recursos próprios da instituição.

Em 2023, com apoio da Fundação Renova, foi iniciada uma nova fase do projeto. De forma complementar ao trabalho até então desenvolvido, o Bicudos tem o objetivo de executar um programa de revigoramento populacional ou reintrodução da espécie Sporophila maximilliani, criticamente ameaçada no país, em áreas da bacia do Rio Doce.

Além das atividades com os bicudos, por se tratar de uma espécie criticamente ameaçada e muito visada pelo tráfico de animais silvestres, o projeto contará com a criação de um programa de educação ambiental, a ser realizado com as comunidades do entorno da área de soltura.

Contexto

O bicudo (Sporophila maximiliani) é um pássaro da família Thraupidae encontrado na região neotropical e conhecido por sua voz melodiosa. Sua vocalização complexa associada à raridade na natureza faz com que seja bastante visado pelo tráfico. A retirada de indivíduos da natureza para criação em cativeiro ao longo dos anos repercutiu em um declínio populacional grande. Isso, associado às ameaças ao habitat, fez com que o bicudo se tornasse ameaçado de extinção globalmente (“em perigo”, na classificação da IUCN). No Brasil, a espécie é considerada criticamente ameaçada, aparecendo na lista de ameaça de cinco estados: Pará (CR), Espírito Santo (RE), Minas Gerais (CR), Rio de Janeiro (possivelmente extinta) e São Paulo (ameaçada). São escassos os registros da espécie na natureza nos últimos 20 anos, inclusive em coleções científicas. Apesar da recente descoberta e monitoramento de populações selvagens em Minas Gerais, a espécie ainda se encontra em uma situação instável, em áreas desprotegidas. Além disso, poucos indivíduos habitam os locais, tornando a existência da espécie no futuro improvável. Isso se deve tanto a processos que diminuem a diversidade genética, em decorrência do cruzamento entre indivíduos aparentados, quanto à menor probabilidade de sobrevivência a catástrofes naturais. Dessa forma, a reintrodução/revigoramento populacional é uma maneira de tentar conservar a espécie, já que existem cerca de 175 mil espécimes em cativeiros. O projeto visa identificar uma área adequada na bacia do Rio Doce para reintroduzir os bicudos, além de selecionar indivíduos criados em cativeiro que estejam em conformidade com protocolos sanitários e genéticos baseados nas características dos indivíduos selvagens.

Data de início

Novembro de 2023

Meio de financiamento

Projeto aprovado pela Fundação Renova até 2027

Metas

Notícias

Parceiros

Realização:

Documentos relevantes

Galeria de Fotos

Galeria de Vídeos

Histórico do projeto

Search

Pressione Enter para buscar ou ESC para fechar