Projeto Cuitelão

Resumo da atuação

O projeto Cuitelão é realizado pelo Waita em parceria com o Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA) desde 2022, por meio do convênio estabelecido com a companhia Eletrobras Furnas. O foco é um estudo de seleção e manejo de habitat para persistência de Jacamaralcyon tridactyla, ave endêmica e ameaçada de extinção que dá nome ao projeto.

Até o momento, a equipe delimitou o tamanho da área de vida da ave e fez um estudo de caracterização para saber quais espécies de árvores são mais utilizadas como poleiro na busca por alimento. Algumas delas são angico (Anadenanthera peregrina), garapeira (Apuleia leiocarpa), ipê amarelo (Handroanthus chrysotrichus), ingá (Inga laurina) e faveiro (Platypodium elegans).

Utilizando a técnica de radiotelemetria, por meio de um chip colocado na asa da ave foi possível acompanhar cinco indivíduos da espécie durante um mês nos municípios de Chiador (MG), Além Paraíba (MG) e Sapucaia (RJ), nas redondezas da Usina Hidrelétrica de Simplício.

A equipe também realizou oficinas de produção de mudas com alunos das escolas da região, utilizando sementes das espécies de árvores identificadas. Em seguida, alunos e professores se engajaram no plantio das mudas como uma forma de contribuir com a recuperação de áreas degradadas e favorecer a presença do cuitelão.

Contexto

Jacamaralcyon tridactyla, ave popularmente conhecida como cuitelão, é endêmica do bioma Mata Atlântica e considerada rara em sua distribuição geográfica, que engloba, historicamente, desde o estado do Paraná até o sul da Bahia. Modificações na paisagem têm levado ao desaparecimento dessa espécie, diminuindo a distribuição geográfica até então conhecida. Por exemplo, a espécie não é mais detectada no Espírito Santo desde 1940, no estado de São Paulo desde 1970 e no estado do Paraná desde 1961, indicando um declínio acentuado. A diminuição da área de ocorrência associada a tamanhos populacionais pequenos, sujeitos a endogamia e em declínio levaram a espécie a ser categorizada como “vulnerável” globalmente e no estado do Rio de Janeiro, (IUCN 2019, Alves et al. 2000), “quase ameaçada” nacionalmente (MMA 2014) e “criticamente ameaçada” no estado da Bahia (SEMA 2017).

O habitat do cuitelão são fragmentos de floresta semidecidual e mata ciliar com presença de arbustos e árvores, geralmente próximos a cursos d’água e estradas com presença de barrancos, que a ave utiliza para construir seu ninho . A ausência da ave em muitos habitats característicos da espécie indica uma possível especialização ainda não conhecida pela ciência (Tobias et al. 2020). Nesse contexto, o projeto visa suprir essa lacuna de informação, precisando quais características na paisagem são de fato determinantes para a ocorrência da espécie. Com base nessa informação, o Cuitelão busca estabelecer o tamanho do território necessário para um par reprodutor alcançar um aumento populacional da espécie, além de realizar ações de manejo de habitat para esse mesmo fim.

Data de início

Janeiro de 2022

Meio de financiamento

Financiamento por meio do Edital Socioambiental da Eletrobras Furnas

Números do projeto

Notícias

Parceiros

Realização:

Documentos relevantes

Galeria de Fotos

Galeria de Vídeos

Histórico do projeto

Sem histórico anterior.

Search

Pressione Enter para buscar ou ESC para fechar